Fale Conosco
Home / Blog / Entenda quais as reações mais comuns a vacinas e como aliviá-las

Entenda quais as reações mais comuns a vacinas e como aliviá-las

Atendimento / Dicas / 11 de março de 2022

É bastante comum que as pessoas experimentem algumas reações logo após a vacinação, que podem incluir dor, vermelhidão e/ou inchaço onde foi aplicada, assim como febre, dores musculares e mal-estar.

Estas são leves e, em linhas gerais, costumam aparecer entre poucas horas e 3 dias depois que o indivíduo é imunizado e, do mesmo modo rápido em que surgiu, em pouco tempo se vão — cerca de dois a três dias. Assim, não é necessário nenhum tratamento específico para tais sintomas, contudo, é interessante que alguns cuidados sejam tomados para que estas sejam atenuadas e não interfiram no dia a dia das pessoas.

Por outro lado, mesmo ocorrendo em casos muito raros, é possível que haja o surgimento de reações mais graves, como reações alérgicas mais intensas, fraqueza e alterações motoras. Nestas situações, é recomendada a busca por ajuda médica.

As possíveis reações a vacinas são o foco deste artigo, no qual você entenderá um pouco mais sobre cada uma delas, assim como encontrará meios de amenizá-las. Siga lendo!

Por que as reações acontecem?

As reações a vacinas são vistas como um sinal de que o organismo está começando a desenvolver sua imunidade para com uma determinada doença.

É sabido que o sistema imunológico é composto por uma série de agentes (células, tecidos e órgãos), que se organizam em agrupamentos e, de forma conjunta, procuram promover a proteção do corpo contra substâncias externas (bactérias, vírus, fungos entre outros). Dentro do organismo, estes invasores passam a se reproduzir, causando infecções e doenças.

É interessante comentar que a vacina não causa a doença, pois não é composta pelo vírus ativo (é morto ou está enfraquecido). O que acontece é que a vacina consegue estimular a proteção natural do organismo de modo a fazer com que ele passe a produzir anticorpos (células de defesa), construindo assim a imunidade. 

Ou seja, quando a pessoa imunizada pela vacinação infectou-se pelo agente externo,a resposta imunológica já existe, promovendo a prevenção contra a doença ou, ainda, impedindo manifestações mais graves.

Além disso, é claro, algumas reações acontecem pelo fato de quem foi vacinado poder ser alérgico a algum componente da vacina.

Reações a vacinas: quais são e o como aliviar

As reações mais relatadas por quem é imunizado são:

1. Dor, inchaço e vermelhidão na região da aplicação

Como já visto acima, estas são as reações mais comuns que as pessoas podem experimentar momentos após a aplicação da vacina. A dor, o inchaço e a vermelhidão no local de aplicação (geralmente braço e/ou perna) podem ocorrer até 72 horas após a vacinação.

Mesmo podendo causar desconforto e limitar o movimento dos membros durante um tempo, estas reações não apresentam motivo para preocupação.

O que fazer para aliviar: aplicação de gelo ou compressa fria no local da vacina por aproximadamente 15 minutos, três vezes ao dia, até os sintomas diminuírem. É importante cobrir o gelo com um pano para que o contato não seja direto com a pele. 

2. Dores pelo corpo (de cabeça e muscular)

Também é comum que dores de cabeça ou musculares — em alguns casos até nas articulações — apareçam entre seis e 12 horas após a vacina, indo embora logo após dois dias.

O que fazer para aliviar: repousar, consumir chás e infusões naturais capazes de diminuir a intensidade dos sintomas e utilizar medicamentos analgésicos (com prescrição médica).

3. Febre

A febre é outro possível efeito colateral da vacina. Trata-se de uma reação considerada normal após a aplicação e, além disso, pode ser acompanhada por outros sintomas, como calafrios, cansaço e sudorese. Costumam surgir entre seis e 12 horas após a vacinação e, por serem temporários, vão embora após dois a três dias.

O que fazer para aliviar: ingerir líquidos para manter o organismo hidratado, repousar e usar medicamentos com prescrição médica.

4. Cansaço, sonolência e mal-estar

Também é comum sentir um certo mal-estar, sonolência e cansaço horas após a vacinação. Crianças e bebês também podem sentir essas reações, que podem se manifestar por meio de choro constante, irritabilidade ou falta de apetite.

O que fazer para aliviar: repousar e evitar atividades que deixam o corpo cansado, como fazer algum exercício físico, limpar a casa ou ir à academia. Consumir líquidos regularmente — sejam eles água, chá ou suco natural — também é recomendado.

5. Diarreia, enjoo ou vômito

O trato gastrointestinal também pode responder à vacina por meio de diarreia, vômito e enjôo, que se manifestam de modo mais frequente em crianças. Contudo, desaparecem cerca de dois ou três dias após a vacinação.

O que fazer para aliviar: consumir alimentos leves durante o dia de modo a facilitar a digestão — fruta cozida, sopa, legumes, batatas assadas. Além disso, deve-se aumentar a hidratação do corpo.

Reações mais raras às vacinas

Além das reações citadas acima, existe um outro grupo de reações, mais raras, que podem acometer o indivíduo recém-vacinado. Entre elas, destacam-se:

  • Febre  muito alta (acima dos 39º C);
  • Coceira, lesões na pele e urticária (que podem acometer todo o corpo);
  • Choque anafilático ou reações alérgicas mais graves, que podem ou não surgir poucos momentos após a vacinação. Somado a isso, os batimentos cardíacos se intensificam, ocorre a falta de ar, assim como o inchaço nos lábios, língua ou garganta, além de tontura;
  • Síndrome de Guillain-Barré (fraqueza muscular) e paralisia em todo o corpo, sendo o seu desenvolvimento mais comum em pessoas que já sofreram esta crise no passado. Por isso é importante, sempre que for ser vacinado, informar o profissional de saúde sobre o seu histórico;
  • Inflamação nos vasos sanguíneos (inclusive em órgãos, como rins, pulmões e coração);
  • Formação de ínguas (aumento dos linfonodos) nas regiões do pescoço, axila ou virilha devido à alteração do sistema linfático;

Quando há a suspeita de algumas destas reações terem surgido após a vacinação, é indispensável procurar imediatamente o seu médico ou o pronto-socorro mais próximo.

E quando ir ao médico?

Como visto acima, as reações a vacinas se manifestam de maneira mais branda, não sendo necessária uma maior atenção para com elas. Contudo, existem episódios em que se faz necessário realizar uma consulta médica para saber o que está acontecendo.

Exemplos disso são quando a febre dura mais de três dias, quando a dor e a vermelhidão no local também demoram para desaparecer. Nestes casos, pode ser que existam outras causas para tais sintomas. No caso de crianças, quando estas não conseguem comer bem após três dias, uma consulta com um pediatra é recomendada.

Em casos mais graves, os sintomas podem ser causados por uma reação alérgica grave a algum(ns) dos componentes da vacina, sendo necessária uma avaliação médica imediata.

Para os casos mais graves, como reações anafiláticas, é fundamental que o local de vacinação esteja preparado para atender essas ocorrências, com todo o material de urgência disponível e uma equipe treinada. Na IMUNE VIDA contamos com todo o material e equipamentos necessário e uma equipe treinada e em constante atualização.

Ainda com dúvidas sobre as reações às vacinas? Entre em contato com a Imune Vida! Ficaremos contentes em poder ajudá-lo(a) a tirar todas as suas dúvidas a respeito do assunto.

Fonte(s): Tua Saúde, Metrópoles, Fiocruz, Fleury, Ministério da Saúde de Goiás, Nexo Jornal e Estado de Minas.

GOSTOU DO POST? ENTÃO COMPARTILHE!

Mais Lidas

Vacinas

Quais as diferenças entre sarampo, catapora e rubéola?

Leia mais +
Vacinas

Entenda a diferença entre calendário de vacinação infantil do SUS e do sistema particular de saúde

Leia mais +
Especial

Jogo dos 7 Erros | Dia Internacional da Infância

Leia mais +

Sobre a IMUNE VIDA

Frase curta que descreva a empresa em poucas palavras

Saiba mais

Fale conosco!

Ligue (19) 3243-5825

- ou -

Fale conosco